Educação no Brasil em 2021: desafios e esperança

2021 finalmente está começando para a educação brasileira. Semana passada as aulas presenciais já foram liberadas na rede particular no estado de São Paulo a partir do dia 1º. Na rede pública estadual começou dia 8 e na rede pública municipal o retorno está previsto para o dia 15 de fevereiro. Nos outros estados as datas são semelhantes.

É nesse contexto que estávamos alinhando nosso trabalho aqui na Gaia para esse ano, e diante dele surgiram duas perspectivas:

Dentro de cada uma apareceram várias discussões, e trago aqui, junto com algumas notícias que destacamos, as que achei mais relevantes. A ideia é compartilhá-las para refletirmos sobre o cenário que vamos enfrentar como sociedade durante esse novo momento.

Como retornar ao ensino presencial com segurança?

A questão mais presente, sem sombra de dúvida, é a do retorno às aulas presenciais. Recentemente participei de algumas reuniões de pais e pude ver a preocupação deles com as medidas que as escolas estão adotando. Como será a distribuição de álcool em gel, se o distanciamento entre as cadeiras e carteiras dentro das salas está correto, se haverá sinalização adequada, etc.

É claro que alguns pais estão mais cautelosos que outros, mas o fato é que as escolas estão preocupadas em atender as medidas de segurança.

Algumas, como o Colégio Pestalozzi em Osasco-SP, inovaram até na forma de higienizar os ambientes escolares. O mantenedor do Colégio, Alexandre Berbel, trouxe um equipamento que utiliza ozônio para fazer a sanitização da escola de uma forma eficiente e segura.

Outro recurso que já está presente na vida de praticamente todos na área da educação é o ensino híbrido, garantindo um retorno gradual dos estudantes. A vice-presidente do Conselho Estadual de Educação (CEE) do Ceará, Lúcia Veras, reforça a sua importância ao argumentar que ele evita uma potencial contaminação em massa caso todos retornem presencialmente ao mesmo tempo.

Outra questão que vale a reflexão é sobre a recuperação do conteúdo neste ano de 2021.

Criança com máscara observa preocupada.

Como retomar o conteúdo?

Segundo Ivan Gontijo, especialista em Políticas Educacionais e coordenador de projetos do Todos Pela Educação, muitos estudantes precisarão começar do zero, pois não tiveram acesso nem aos conteúdos inicias do ano de 2020. Assim, o termo “recuperar conteúdo” pode até não ser adequado, já que precisaremos pensar no trabalho de garantir o primeiro acesso.

Sala de aula vazia com lousa branca e carteiras separadas.

 

O desafio do conteúdo é complexo e pode significar diversos retrocessos na Educação do Brasil.

Ivan também alerta sobre as desigualdades que a pandemia trouxe entre os estudantes brasileiros. Enquanto boa parte da rede particular conseguiu dar continuidade aos conteúdos através das tecnologias, a rede pública ficou muito atrás. Isto porque não conseguiu garantir equipamentos (como celulares e computadores) e internet para seus estudantes.

Com o avanço da pandemia, o aumento no desemprego e o fim do auxílio emergencial, muitas famílias estão lutando para colocar comida na mesa. O que impossibilita investir em equipamentos para que seus filhos possam ter acesso ao conteúdo da escola. Essa situação exige que políticas públicas sejam criadas para evitar que esses estudantes sejam perdidos.

Por outro lado, também há notícias que trazem esperança para nossos corações.

A vacinação está acontecendo!

Confesso que ver a foto da Monica Calazans sendo vacinada aqui no Brasil trouxe aquele calorzinho no coração. Apesar das disputas políticas, dos atrasos, incoerências e diversas dificuldades, as coisas estão avançando.

É fundamental que a gente consiga enxergar os avanços e se agarrar a essas vitórias para não desistir. Quanto tempo a gente já não estamos longe das nossas famílias? E das pessoas queridas? Eu, por exemplo, há mais de 1 ano não vejo minha mãe e irmã que moram no interior. Foi uma decisão difícil, mas optamos pela segurança.

Uma outra grande conquista é a MP das Vacinas, que hoje depende apenas da aprovação do presidente. A Medida Provisória 1003/2020 busca trazer diversos avanços para a vacinação no Brasil. Uma das mudanças que mais afeta as escolas é a inclusão dos profissionais da educação como grupo prioritário no PNI (Programa Nacional de Imunização).

Além disso, outro ponto que trouxe alegria pra gente foi quanto à valorização do professor.

Monica Calazans, 1ª vacinada contra covid no Brasil

Valorização do professor

Renata, nossa Líder Educacional, em uma aula de robótica no Colégio Pestalozzi.

Logo nas primeiras conversas com alguns pais na metade do ano passado eu já pude perceber frases como “Eu não tinha ideia de quão difícil era ensinar!”. Ficou nítido para mim que os pais passaram a ter uma percepção muito maior do valor das escolas.

Essa também é a percepção de Maria Alice Setubal em uma entrevista cedida à NOVA ESCOLA em agosto do ano passado. Mais conhecida como Neca Setubal, ela é especialista em educação, tendo um doutorado em Psicologia da Educação pela PUC-SP. Em suas palavras: “Me parece que a situação da pandemia trouxe, de forma espontânea, uma maior valorização do trabalho dos professores.”

Neca argumenta que o professor é o principal ativo da Educação, e que o processo para valorizá-lo deve ser pautado em 3 eixos:

  • Formação
  • Carreira
  • Salário

Essa valorização é fundamental para que o Brasil tenha um futuro melhor, e tem que começar agora se quisermos colher esses frutos.

Como a Gaia se posiciona diante de tudo isso?

Aqui na Gaia nós enxergamos que nossa missão se torna ainda mais crucial. Levamos em conta todo esse cenário para desenhar nossa estratégia para 2021 e causar o máximo de impacto possível. Elaborando novos modelos, inovando de diversas formas para conseguir atingir cada vez mais pessoas. Nossa missão é levar educação tecnológica e científica de forma democrática para o maior número de pessoas, e é em momentos como esses que ela é colocada à prova.

Isso envolve esforço criativo para reduzir custos em situações que não enxergávamos antes, levar o ensino da robótica no modelo EaD com ainda mais qualidade, e cocriar soluções com as escolas para atender as suas especificidades.

A robótica da sua escola está preparada para esse novo cenário de 2021?

A Gaia leva muito a sério o ensino de robótica e estamos prontos para encantar os estudantes esse ano!

Related Articles

Responses

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *